BEYOU RT e NP/BF Sport no FN


19 Mar
19Mar

Equipa “NP/BF Sport” com balanço positivo da participação no Rali de São Vicente…apesar da desistência de Bruno Fernandes

Fotos Alfredo Rodrigues


A equipa parceira do Funchal Notícias concluiu o Rali de São Vicente na 21.ª posição.

Foi o primeiro Rali para Rogério Sousa e Sílvia Tavares -e para a BE YOU Rally Team- habituados que estavam às rampas e que tiveram a satisfação de chegar ao fim quando houve 11 desistências.

“O objetivo mais tangível auto proposto pela equipa -concluir a prova classificados e sem incidentes foi alcançado, permitindo à BE YOU Rally Team sentir um pouco da imprevisibilidade (total) dos Ralis, numa experiência tsunamica na sua intensidade”, refere o piloto Rogério Sousa.

Desde à chegada às verificações técnicas, ao som antes da super especial, à juventude e falta de rotinas, do completo silêncio do audio nas últimas três especiais -feitas à vista (com notas gesticuladas)- às dificuldades do audio na duas PEC’s anteriores, tudo se evidenciou e permitiu viver o Rali.

Segundo relata a equipa, permitiu, também, conhecer e ambientar-se um pouco mais e melhor ao Citroen C2 Troféu, rodar e fazer kms que possibilita aos pilotos da BEYOURT poderem encarar, com mais naturalidade, as provas que se seguem.

“Balanço positivo, ainda que intenso nas contrariedades”, revela.

A equipa agradece à dupla Narciso Andrade/Rubina Mendonça (Toyota Yaris, nº 28) -1º lugar no Troféu Yaris-, pelo gesto depois da última PEC e no troço de ligação.

De resto, o Team NP/BF Sport é também composto pelas equipas Bruno Fernandes/Mauro Sousa (com uma prova imperial no seu grupo, até  ter o azar de desistir na última PEC por avaria mecânica) e Márcio Nóbrega/Paulo Nóbrega.

Estes últimos com uma estreia meritória, classificados no 3.º lugar do Troféu DS3 R1.

Márcio Nóbrega foi 3.º no Troféu DS3 R1.


Segundo Márcio Nóbrega “o balanço foi positivo pois o objectivo deste primeiro rally era concluí-lo e foi conseguido. Foi muito difícil pois para nós era tudo novo”, revela.

Bruno Fernandes não conseguiu levar o sei Citroen até ao fim.


Já o azarado Bruno Fernandes revelou que “teve um sabor agridoce a nossa participação na prova Vicentina… Partimos com o objectivo de darmos o nosso melhor e terminar a prova, alcançamos o primeiro pressuposto com um andamento vivo, mas não terminamos a prova por um problema mecânico. Foi um rude golpe no estômago porque desistimos na última Prova especial de classificação. O andamento foi muito bom, estabelecemos novos recordes nas especiais e, aquando da desistência tínhamos uma boa vantagem”.

Ainda assim mostrou-se grato a todos os patrocinadores, equipa de assistência e família pelo apoio ao longo da prova.